Métodos de regulação florestal no planejamento de produção de madeira

Métodos de regulação florestal no planejamento de produção de madeira

Por: Ludmila de Castro Piassi.
Orientador: Gilson Fernandes da Silva.
Defendida em: 04/10/2011.

Resumo:

Este trabalho teve como objetivos: empregar o método de regulação da produção pelo controle por área com intuito de mensurar a capacidade de produção anual da floresta manejada; e testar a influência de métodos de regulação florestal no planejamento da produção de madeira. Esse problema foi proposto com o cuidado de que o mesmo apresentasse características semelhantes aos encontrados habitualmente nas empresas florestais. Para caracterização da área de estudo foram escolhidos,  arbitrariamente,  três capacidades produtivas (os índices de sítio I, II e III), plantios do híbrido Eucalyptus urograndis,  idades dos plantios variando de 0 a 7 anos e 109 talhões. As variáveis coletadas foram as inerentes ao processo de produção, como preços de insumos, mão-de-obra e de madeira para celulose. Com base nesses dados, foi obtida a rotação econômica para cada capacidade produtiva utilizando o Benefício Periódico Equivalente como critério de avaliação econômica. Os modelos de otimização foram formulados pelo Modelo I, empregando-se o software SAD Florestal, que permitiu gerar as prescrições de manejo, bem como construir o modelo de otimização proposto. Ao final, avaliou-se cinco métodos de regulação: Método do controle por área, Método do controle por área considerando rotações menores, Modelo de programação linear, Modelo de programação linear inteira e modelo de programação linear inteira mista. O método de controle por área foi eficiente na orientação da determinação dos limites da restrição de imposição de produções anuais dos modelos de otimização. O método de controle por área apresentou a maior oscilação tanto na produção quanto na área de corte anual. Os métodos de otimização foram os que apresentaram menor coeficiente de variação para a produção anual de madeira. O maior lucro foi obtido pelo método de controle por área considerando rotações menores, devendo ser visto com ressalvas na medida em que a madeira obtida com quatro anos pode não ter o mesmo valor para aquela obtida com maior idade. O modelo de programação linear apresentou maior retorno líquido do que o método de programação linear inteira, sendo que este fato pode estar relacionado a restrição de regulação. No modelo de programação linear inteira mista as subdivisões nas áreas de corte dos talhões que permitiram essa opção, mostraram-se desproporcionais.