Qualidade fisiológica de sementes e produção de mudas de Mabea fistulifera Mart.

Qualidade fisiológica de sementes e produção de mudas de Mabea fistulifera Mart.

Por: Diêgo Gomes Junior.
Orientador: José Carlos Lopes.
Defendida em: 29/07/2011.

Resumo:

Na produção de mudas florestais vários fatores influenciam a germinação e o desenvolvimento das espécies, destacando-se o substrato e a luminosidade. Estudos sobre a qualidade das sementes são de suma importância para se conhecer as características de propagação de cada espécie, facilitando o trabalho com estas. O presente trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade fisiológica de sementes de canudo de pito (Mabea fistulifera Mart.) e a qualidade das mudas produzidas por estas sementes em diferentes substratos sob a influência de quatro níveis de luminosidade. O trabalho foi conduzido no Laboratório de Sementes e em casa de vegetação no CCA/UFES no município de Alegre-ES. As sementes utilizadas foram coletadas em matrizes estabelecidas na região do Caparaó-ES. Inicialmente foi feito o aquecimento dos frutos a 30 ºC por 3 dias, para acelerar a deiscência e remoção das sementes. Posteriormente foi feito o beneficiamento, limpeza e separação das sementes danificadas, imaturas e chochas. Foram avaliadas a qualidade física pelo peso de mil sementes, número de sementes por quilo e o teor de água, a qualidade fisiológica pela germinação e vigor das sementes em diferentes substratos e temperaturas. Os substratos utilizados foram: sobre papel, rolo de papel, entre areia, sobre areia e em substrato PLANTMAX Floresta. As temperaturas utilizadas foram fixas de 20, 25, 30, 35, e alternadas de 20-30 e 25-35 °C, em BOD. A avaliação foi feita diariamente pela germinação, índice de velocidade de germinação, tempo médio e frequência relativa de germinação. O delineamento foi IC em esquema fatorial 5X6, com quatro repetições. No estudo do envelhecimento acelerado para avaliação da qualidade fisiológica das sementes foram utilizadas temperaturas de 41, 43 e 45 ºC e UR de 100% por 0, 24, 48, 72 e 96 horas. Foram utilizados os métodos padrão (água destilada) e com solução saturada de NaCl, sendo a semeadura feita em placas de Petri forradas com papel germitest, umedecidos na proporção de 2,5 vezes a massa do papel seco, e mantidas em BOD a 30 ºC. Foram avaliados germinação, primeira contagem de germinação, tempo médio, frequência relativa, e índice de velocidade de germinação. O delineamento foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial 2x3x5, com quatro repetições. Para a produção de mudas as sementes foram semeadas em sementeiras com areia e 30 dias após a semeadura, as plântulas foram transplantadas para sacolas contendo os substratos: solo+biosólido; solo+areia+esterco e substrato Plantmax floresta. Os níveis de sombreamento utilizados foram: Sol pleno; cobertura com uma, duas e três telas sombrite. O solo utilizado foi o Argissolo Vermelho eutrófico corrigido com calcário até 60% de saturação das bases. Foram avaliados o diâmetro do coleto, o número final de plantas, a área foliar, o comprimento das raízes e a massa fresca e seca da parte aérea e das raízes. Foi calculada a relação parte aérea/sistema radicular, relação parte aérea/diâmetro do coleto, índice de qualidade de Dickson (IQD) e teores de clorofila. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado em parcelas subdivididas, com quatro repetições de seis plantas. As médias dos tratamentos foram comparadas pelo teste de Tukey (p<0,05). Os resultados do teste de germinação evidenciaram que o teste de germinação em substrato sobre papel a 30 ºC é a melhor condição para as sementes germinarem, com bom índice de velocidade de germinação e tempo médio de germinação próximo a 14 dias. Para o envelhecimento acelerado, notou-se que os períodos de exposição de 72 h a 43 ºC com uso de solução saturada de NaCl e de 48 h a 43 ºC com uso de solução não saturada de NaCl são os mais adequados para avaliação do potencial fisiológico de sementes de canudo de pito. A produção de mudas evidenciou que a repicagem das plântulas para desenvolvimento das mudas em pleno sol é prejudicial para a sobrevivência destas em todos os substratos, sendo que o substrato solo+areia+esterco é o mais adequado para produção de mudas quando mantidas sob sombreamento. O aumento no nível de sombreamento favorece o acréscimo de clorofilas em relação aos carotenóides.