Metodologia Diagnóstica para as Unidades de Conservação Estaduais do Espírito Santo: Condições para sua Gestão e para Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Metodologia Diagnóstica para as Unidades de Conservação Estaduais do Espírito Santo: Condições para sua Gestão e para Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Por: André Luiz Campos Tebaldi.
Orientador: Nilton Cesar Fiedler.
Defendida em: 17/12/2010.

Resumo:

A pesquisa teve o objetivo principal desenvolver metodologia diagnóstica para as Unidades de Conservação estaduais do Espírito Santo: Condições para sua gestão, prevenção e combate aos incêndios florestais. Buscou-se trabalhar com seis objetivos específicos sendo eles: caracterizar as condições de gestão e infraestrutura; diagnosticar a disponibilidade quantitativa de pessoal e equipamentos para prevenção e combate aos incêndios florestais; identificar os principais grupos de causa das ocorrências de incêndios florestais relacionando-as com as principais ameaças aos ecossistemas; identificar a distribuição das classes de tamanho das áreas queimadas, identificar os principais tipos de incêndios; diagnosticar as principais atividades de prevenção desenvolvidas. A análise contou com a participação de todos os gestores das dezesseis Unidades de Conservação estaduais criadas até o ano de 2009. Os resultados indicaram que a Reserva Biológica de Duas Bocas possui melhores condições para gestão e infraestrutura (82%) e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Concha D’ostra possui piores condições (5%). O Parque Estadual de Itaúnas apresentou maior déficit de pessoal. Na disponibilidade de equipamentos operacionais, observou-se que 75% das Unidades de proteção integral estão com déficit. Na relação de ferramentas identificou-se que o Parque Estadual da Cachoeira da Fumaça apresentou o maior déficit e não há equipamentos de proteção individual nas Unidades. A infraestrutura inadequada (14%) e a caça (12%) são as principais ameaças às Unidades estaduais. Mais de 50% dos incêndios nas Unidades estaduais são de superfície com predominância de área queimada variando de 0,1 à 40 hectares. Aproximadamente 40% das causas são queimas para limpeza e 20% incendiários. As principais atividades preventivas realizadas são integração interinstitucional e vigilância da unidade (22%). Os resultados servirão como uma eficiente ferramenta de planejamento e gestão para o Governo do Estado implementar ações e atividades preventivas nas Unidades de Conservação.